Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Boas notícias.

Comecei a achar estranho e a pensar que o caso, se calhar, estava mal parado. Por esta altura, o ano passado, já estava tudo tratado, tudo orientado para o arranque.
Mandei mails para aqui e para ali e ninguém me sabia dar uma resposta concreta ou não me respondiam. Confesso que comecei a ficar um bocadinho preocupada pois o tempo estava a passar mas ainda não era tarde de mais.
Hoje recebo a boa notícia. Mas com uma pequena "sombra negra". Finalmente, enviaram-me o meu horário mas com menos duas horas por semana. Fiquei um bocadinho desapontada e a fazer contas de cabeça. É que menos duas horas era um grande impacto no meu micro ordenado.
Mandei um mail a perguntar se o meu horário era só mesmo aquelas horas, responderam-me que não, que tinha as tais duas horas que faltavam mas que a página do mail não me deixou ver.
Fiquei numa escola onde já estive e foi a escola que mais gostei até hoje. A directora é a mesma e suponho que as auxiliares e algumas das professoras também. Adorei dar lá aulas e sei que também gostaram muito de mim. 
Espero que este ano seja muito melhor do que o ano lectivo passado. {#emotions_dlg.sarcastic}

Coisas De Pinguins.

Estou de volta à pinguinolândia. Sim, é verdade mas não é na Antartida com muita pena minha. Para descobrirem onde fica esta pinguinolândia, vou dar-vos algumas pistas:

 

- Vivem numa casa grande;

- Andam sobre duas patas;

- Vestem de preto e branco;

- Tentam lixar com F grande o pessoal todo;

- Ditam a lei mesmo que esta seja da Era da Pedra Lascada.

 

Ah e faltou acrescentar que euando morrerem vão direitinhas para o inferno.

Já adivinharam? Pois é isso mesmo, voltei para o tal sítio onde também dou aulas. Mas fui às escuras, tipo de olhos vendados e às apalpadelas. é que enquanto na outra escola está tudo organizado e temos a informação sempre em dia e formas de comunicar é o que não falta (facebook, twitter, moodle, site, mail, MSN, telemóvel, rede fia, etc.), na pinguinolândia não há nada. Quer dizer, não há porque as pessoas não querem, não fazem um esforço e quanto menos progresso houver, melhor. Resta um telefone fixo, que não vale a pena ligar pois corre as salas todas e não se encontra a pessoa com quem se quer falar, e um telemóvel da pinguim boss, que não é atendido e nem liga a sms. E não é o caso de não as saber ver.

 

Ontem levei o dia todo a ligar e a mandar sms à pinguim boss. Responderam vocês? Assim respondeu ela! Devia estar muito ocupada a olear as asas (é que no halloween elas transformam-se em morcegos!) e eu, reles e comum mortal, fiquei-me com o silêncio do lado de lá. E porquê tanta insistência minha? Queria nada mais, nada menos do que saber o meu horário de trabalho. É justo, não?

 

Como não obtive qualquer resposta nem ontem nem hoje, fui apresentar-me hoje à hora que eu costumava dar aulas. Quando lá cheguei fui logo falar com a pinguim boss, afinal precisava de saber para onde ia e como era. Agora vejam lá o que se passou:

 

*(MP = Miss Pepper; PB = Pinguim Boss)

MP*: PB, ontem fartei-me de ligar para si e mandar sms para saber do meu horário...

PB*: Pois, tivesses vindo cá... Só olhei para o telemóvel já era meia noite e tal (isto ontem, hoje de manhã não teve tempo de me dar uma ligadela, né?)

MP: PB, não pude vir antes porque comecei as aulas mais cedo no outro lado...

PB: Tivesses vindo cá antes... (ora bardamerda! OOPS!)

MP:.... (sem comentários a não ser que a tivesse mandado para um sítio que eu cá sei)

 

O horário está uma autêntica mixórdia, uma salganhada sem pés nem cabeça e ainda tem de ser reformulado. E isto porquê? Porque as pinguins querem dar graxa fazer as vontadinhas ao macho lá do sítio. Devem ter esperança que um dia ele lhes peça para rezar... hihihi! Ajoelhou, vai ter de rezar! Ou que ele use a sua vassoura para lhes tirar as teias aranhas... das salas delas.

 

Sei que comecei as aulas atabalhoadamente e como pude, tipo assim em cima do joelho (não gosto nada disto assim). Mas o top do dia, o auge, diria até o clímax do dia foi... quando a pinguim boss se colocou a ouvir atrás da porta!

Estava eu a explicar o que queria para trabalhar numa turma, quando ela surge voando a dizer que eu não podia pedir aquele material porque os pais se tinham queixado e que andava tudo desorganizado. Bem, esta foi a maior mentira que já ouvi desde o século passado. Foi ver o nariz dela a crescer, crescer, crescer... Até tive de abrir uma janela com o pretexto de estar calor, mas que na realidade era para o nariz dela sair em vez de partir o vidro.

 

Depois expliquei-lhe por A mai sB o porquê do material e disse as palavras-chave: está no programa e é isto que o ministério diz para fazer. Mudou logo de conversa. Olha a porra, agora já nem posso pedir material - que é normalíssimo - que é necessário para as minhas aulas só porque a ela não lhe apetece?! Meu Deus dá-me força, senão eu corto-lhes as pontas das asas!

 

E foi assim o meu segundo "primeiro dia de aulas": Desmotivante, enervante calmo e num ambiente cínico amistoso e verdadeiro!

 

Unbelievable

 

No meu colégio do buraco financeiro, começo amanhã as aulas. Até aqui tudo muito bem, não fosse o caso de… EU AINDA NÃO TER O HORÁRIO!!!

 

Será isto possível?! Estarei eu fora de órbita?! Ou o colégio mudou de planeta e ninguém me informou?!

 

Depois não é de admirar que o colégio esteja a ser sugado pelo buraco negro (leia-se buraco financeiro)!

É que a desorganização tem vindo a estender os seus tentáculos por todo o colégio cá de uma maneira… Ah, mas a culpa não é dos profes!!! Nós somos ali apertadinhos e não podemos fugir da linha!

Mas em compensação direcção e auxiliares é cá um descambanço! Oié!!!

 

Esta tarde, lá vai a escrava de serviço – ou seja eu – andar feita tonta a preparar a primeira aula e testes diagnósticos. Já para não falar das planificações, às quais tenho dedicado 100% do meu precioso tempo de mini-férias, e que já nem posso ver à frente! Argh!

 

Bom, após fazer várias diligências para saber tão preciosa informação, recebi um email super elucidativo e o qual passo a transcrever:

 

4ª feira:  4º, 1º e 3º por esta ordem…”

 

(assinatura)

 

Perceberam batatas? Yap! Super esclarecedor… O que vale é que eu estava dentro do contexto. Espectáculo de horário!!! Não acham?!

 

Em conclusão, estou furibunda porque que organizar o meu trabalho e dar andamento à coisa mas a entidade suprema está a suprimir-me um elemento importante.

 

Vou ali teclar qualquer coisinha (quer-se dizer preparar alguns materiaizinhos para amanhã) e já volto, tá?

 

 

Coisas da Escola

 

 

                       

 

 

Fui ao colégio para tratar de alguns assuntos pendentes para o arranque do próximo ano lectivo. Sabem aquelas “batatas quentes” que nos passam para as mãos? Pois foi isso mesmo que fui despachar.

 

Fiquei muito contente pois o director deu-me os parabéns, pela segunda vez, pelas coisas terem corrido tão bem no mês de Agosto. E sei que a P. e a C. também lhe disseram o mesmo e que as coisas correram tão bem que o mês de Agosto passou num instante, nem se deu pelo tempo passar.

 

Assim que entrei no portão começo a ouvir por todos os lados “teacher, teacher!” Encontrei logo uns pingarelhos mais velhos. Depois foi a vez dos mini-pingarelhos. E os que não vi fui à procura deles. O colégio nem parecia o mesmo: a azáfama tinha começado. Mas tenho imensas saudades dos miúdos. Mas tenho mesmo!

 

Lá expus e defendi as minhas ideias acerca dos livros. E desta vez ganhei, convenci o director a escolher os que eu pretendia trabalhar. Fixe! Eu vou adorar e os miúdos também!

 

Também me foi dado um esboço do meu horário. É idêntico ao do ano passado mas com uma distribuição das turmas muito melhor. Esperemos que resulte, também, melhor. Mas só cá entre nós, o director roubou uma hora a duas turmas, e era bem feito que os pais se queixassem.

 

As minhas microférias estão no fim. Não me apetece fazer grande coisa senão dormir. E até podia atribuir a culpa ao tempo. Um dia por estar calor e não me apetecer mexer uma palha, e outro dia porque está embrulhado e sentir uma moleza descomunal. Mas coitado do tempo. Leva sempre com as culpas todas! Então vamos lá atribuir as culpas a outro: o cansaço!

 

Life goes on...

 Comecei o meu dia indo fazer o meu penso aqui ao “backside”. Hoje foi uma estreia, tanto para mim como para a enfermeira. Ela tem andado a fugir de mim mas desta vez, apanhei-a! Não sei se por estar grávida está mais sensível a “crateras” como a minha, pois passava sempre o frete a quem estava na sala de tratamentos com ela. Mas desta vez tramou-se porque estava sozinha. Lá teve que fazer o penso…
 
De seguida fui, finalmente, ao colégio. Durante as férias levou cá um lifting…! Estava todo pintadinho, salas a cheirar a novo do chão ao tecto e prontas a serem testadas pelos alunos. Ficou com um aspecto muito alegre e calmo. Espero que isto se reflicta nos alunos.
Já tenho a minha mancha horária e a minha lista de alunos. Tenho turmas do 1º, 2º, 3º e 4º anos. Vai ser uma alegria a fazer planificações, oh se vai…! Há uma turma que tem imensos alunos. Bem que a podiam ter dividido...
As aulas começam já na segunda-feira. Esta primeira semana vai ser só de apresentação e revisões para depois começarmos a sério.
Desde já faço uma declaração pública: não gosto do livro do 1º e 2º ano. Pronto! Pouco exigente e pouco apelativo em termos de grafismo e exercícios. Mas não fui eu que escolhi, por isso, tenho de me aguentar à bomboca… Mas deixem lá que arranjarei todas as estratégias e mais alguma como subterfúgio ao livro. Os melhores livros são os das editoras estrangeiras, quer queiram quer não…
 
Escusado será dizer que cheguei a casa mais morta que viva, apesar de não estar muito calor. Mas este estilo de vida à “flor de estufa” que tenho levado ultimamente, arrasa comigo nem que seja para ir ao fundo da rua. Vai ser giro quando as aulas começarem…
Ainda por cima tive uma visita inesperada esta tarde, de uma amiga que já não via há algum tempo: a minha amiga enxaqueca!
Ah pois é! Veio fazer-me uma visitinha ainda assim eu não me esquecesse dela. Eu bem a tentei mandar embora mas ela insistia em ficar. Tive de ser mazinha: tomei um comprimido, pus tudo escuro e em silêncio e deitei-me. Só assim ela fugiu.
Subitamente, fui interrompida no meu transe.
- Abre a porta! Esqueci-me das chaves!
Era a minha mãe a chamar-me à janela. Apanhei cá um susto! Tinha sido mais simples tocar à campainha, não?
 
That’s all for now…